ENTREVISTA: O ecumenismo e os desafios do pluralismo religioso

O CONIC fará, a partir deste mês, uma série de entrevistas com autoridades religiosas e pessoas engajadas no mundo ecumênico/religioso. Os temas abordados nessas entrevistas versarão sobre pluralismo religioso, a importância do diálogo, interação entre as religiões e assuntos afins. O objetivo da série é ouvir o que essas pessoas têm a dizer e, com isso, fomentar o debate.

 
Nosso primeiro entrevistado é o professor Faustino Teixeira, docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF. Confira:
 
1) Como você analisa o pluralismo religioso no contexto brasileiro?
 
Como estou organizando um livro com a antropóloga Renata Menezes sobre as religiões brasileiras no Censo de 2010, e que deve sair no início de 2013 pela editora Vozes, estou bem informado sobre as reflexões que estão sendo feitas no Brasil sobre o tema. O debate é muito rico. A partir das conclusões do censo, verifico que esse processo de pluralização do campo religioso brasileiro está em curso, embora uma grande parte da declaração de crença permaneça ainda vinculada ao âmbito cristão, com 64,6% de declaração católica e 22,2% de declaração evangélica, ou seja, 86,8% dos declarantes estão filiados ao cristianismo. É verdade que nesta forma de ser cristão, particularmente no catolicismo, há uma malha muito larga no exercício de experimentação. Como diz com razão Carlos Rodrigues Brandão em entrevista, há uma grande diversidade nas formas de ser, crer e praticar o catolicismo no Brasil. Ele indica que “a Igreja Católica se permite – entre as comunidades eclesiais de base e as missas-espetáculo do padre Marcelo – abrir-se a todas as alternativas possíveis e imagináveis do ser católico (…)” (Brandão, 2012, p. 55). Diria que há uma forma de vivenciar o catolicismo no cotidiano brasileiro que envolve e inclui práticas, símbolos ou repertórios de outras tradições. É por isso que Pierre Sanchis sublinha com pertinência haver muitas religiões dentro dessa religião. Esse mesmo autor, em entrevista ao IHU-Notícias, salienta que “um dos grandes problemas religiosos do próximo século será o da relação do indivíduo com a instituição que lhe propicia uma identidade religiosa. Dizer-se católico ou umbandista, até proclamar-se evangélico, não será mais unívoco” (Sanchis, 2012, p. 7).
 
Por maiores que tenham sido os esforços das equipes envolvidas com o Censo 2010, a percepção real do quadro religioso brasileiro ficou ainda prejudicada. Os analistas lançam uma certa desconfiança para com os resultados apresentados. Sanchis sublinha a dificuldade em captar realmente o fenômeno da múltipla pertença, que é, sem dúvida, muito maior do que a declaração apresentada no último censo – 15.379 casos (Sanchis, 2012, p. 7); Brandão fala que “é preciso acreditar desconfiando das estatísticas” (Brandão, 2012) e José Ivo Follmann sublinha que há “uma riqueza muito grande que subjaz e que as estatísticas ainda não estão conseguindo fazer emergir” (Follmann, 2012). Nesse sentido, podemos afirmar, sim, o despontar de um pluralismo religioso que se revela irrevogável. Fazendo uma comparação com a diversificação religiosa que ocorre no âmbito internacional mais amplo, chamo a atenção para o artigo apresentado pelo historiador das religiões francês, Frédéric Lenoir, a respeito das “metamorfoses da fé”. Ele assinala que o fenômeno da “dessecularização” está em pleno curso. Indica que nesse âmbito mais amplo o cristianismo continua sua expansão, sobretudo no Sul Global (Ásia, África e América Latina), em razão, sobretudo da expansão pentecostal. O islã também continua se firmando, mas com tendência a um crescimento menor na Europa e Ásia, em razão da diminuição do número de conversões. O hinduísmo e o budismo tendem a manter sua estabilidade, ainda que determinadas práticas relacionadas a tais tradições, como a meditação, venham reforçadas e ampliadas, sobretudo no Ocidente e na América Latina. O mesmo ocorre com o judaísmo. E a conclusão que ele aponta é interessante e coincidente com a expressa por pesquisadores brasileiros: “As religiões continuarão se transformando e sofrendo os efeitos da modernidade, notavelmente a individualização e a globalização”, e os indivíduos a elas filiados viverão sua pertença de forma bem diferenciada com respeito ao passado, fabricando “o seu próprio dispositivo de sentido, às vezes sincrético, às vezes em bricolagem” (Lenoir, 2012).
 
2) As religiões têm se tornado mais abertas ao diálogo ou, ao contrário, mais fechadas? Por quê?
 
De forma curiosa, a afirmação do pluralismo moderno – como vem mostrando Peter Berger -, engendra não apenas a possibilidade dialogal, como poderia se prever, mas também – e vivamente -, a “redescoberta das heranças confessionais” (Berger, 1985, p. 159). Pode-se até encontrar nos tempos atuais núcleos ou segmentos religiosos mais abertos e disponíveis à acolhida dialogal. Berger nomina-os de “virtuosos do pluralismo”, por lidarem de forma mais tranquila com os desafios que envolvem a conversação interreligiosa e o diálogo. Mas na verdade, a maioria das pessoas e dos grupos religiosos tem enorme dificuldade com o pluralismo e com os possíveis efeitos relativizadores que envolvem sua perspectiva. Esses núcleos sentem-se inseguros num mundo percebido como confuso e cheio de possibilidades interpretativas. Diante do risco da relativização, a emergência de um fascínio pelos sistemas absolutos e pelos caminhos fundamentalistas. Vejo como um traço do tempo atual, não tanto a busca dialogal, mas a afirmação das certezas identitárias e o enrijecimento das perspectivas religiosas nos muros protetores das ortodoxias. Isso é muito triste. 
 
3) Quais algumas das dificuldades que você percebe no processo de abertura ecumênica, e que pistas possíveis se anunciam para a sua superação?
 
Em entrevista publicada no IHU-Online da Unisinos, de 24 de setembro de 2012, o teólogo jesuíta Roger Haight assinalou que entre alguns dos desafios enfrentados pela perspectiva cristã nesse momento pós-moderno está o ecumenismo. Lamenta que ele vai perdendo força justamente no momento em que mais se faz necessário. E sinaliza: “Somos incapazes de imaginar estruturas eclesiais que preservem nossa unidade real ao mesmo tempo em que respeitem tradições espirituais cristãs autônomas diferentes” (Haight, 2012, p. 19). Tendo por base a conjuntura católico-romana, constato que os últimos 35 anos foram bem reticentes a uma dinâmica ecumênica prometedora. Acredito que alguns documentos do magistério católico, como a Dominus Iesus, acabaram provocando uma inibição na caminhada ecumênica. Isso foi reconhecido por autoridades do magistério, como Walter Kaspers, que na ocasião da publicação da Declaração, em 2000, ocupava o cargo de Secretário do Pontifício Conselho  para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Em artigo de 2001, Kaspers expressa seu descontentamento com o tom e o estilo do documento da Congregação para a Doutrina da Fé. Sublinha que a Declaração suscitou dúvidas sobre o real empenho ecumênico da Igreja católica, provocando desilusões e ferindo muitas pessoas, entre as quais ele mesmo (Kaspers, 2001, p. 128). Em ocasião anterior, o mesmo Kaspers já havia tensionado com o cardeal Joseph Ratzinger a respeito de temas relacionados à Igreja, que envolviam, a seu ver, o risco de uma acentuação do centralismo romano (Kaspers, 2012, p. 439).
 
Em livro-entrevista, publicado em 2008, Kasper havia sublinhado os acentos diferenciados que marcavam os dois dicastérios romanos: a Congregação para a Doutrina da Fé e Conselho para a Unidade dos Cristãos. E dizia: “Conservar a integridade e a pureza da fé é uma coisa, colocar a fé em diálogo com outras tradições eclesiais é uma outra. Entre as duas não há contraste, mas acentos diversos e diversos modos de olhar” (Kasper; Deckers, 2009, p. 176). Enquanto o primeiro pensa e fala em termos magisteriais, o segundo em termos dialogais  Em linha de descontinuidade com a posição teológica de Ratzinger, Kaspers mantinha e mantém a defesa do título de igreja às comunidades protestantes (Kaspers, 2012, p. 262). Pistas de abertura foram dadas por documentos essenciais como a carta encíclica Ut unum sint (1995), sobre o empenho ecumênico, publicada no pontificado de João Paulo II, em cuja redação teve um importante papel o teólogo dominicano Jean-Marie Roger Tillard (1927-2000). De forma arrojada, o documento sublinha que “para além dos limites da Comunidade Católica, não existe o vazio ecclesial” (n. 13), e as outras Comunidades podem inclusive revelar de forma ainda mais eficaz “certos aspectos do mistério cristão” (n. 14). O espírito essencial do ecumenismo está na perspectiva dialogal, entendida como “intercâmbio de dons”. Trata-se de um caminho “irrevogável”, que se distancia radicalmente de uma perspectiva de anexação das outras Igrejas a uma Igreja específica, envolvendo antes as Comunidades dialogais na experiência de realização da comunhão e da unidade, no profundo respeito às diversidades (Kaspers, 2001, p. 130). E de uma unidade que vai sendo tecida ao longo do processo de interlocução criativa. 
 
4) O diálogo entre as igrejas tem ocorrido com certa frequência, em menor ou maior escala, aqui no Brasil, mas o diálogo com outros grupos ainda engatinha. O que pode ser feito, por exemplo, para que as igrejas comecem a dialogar mais com grupos como os muçulmanos, judeus, religiões de matrizes africanas, etc.?
 
De fato, o diálogo ecumênico envolve dificuldades menores para a sua realização. Ele tem uma história de décadas e bem firmada, apesar de também envolver resistências bem concretas. Esse diálogo, como mostrou Claude Geffré, favoreceu a superação de certo modelo de absolutismo católico, abrindo espaços para o diálogo com as outras tradições religiosas (Geffré, 2006, p. 135). É um diálogo que tem como regra áurea a busca da unidade na diversidade. Já o diálogo interreligioso volta-se para um horizonte mais amplo, marcado pela aspiração a uma Realidade Última, nem sempre nomeada. É um diálogo que tem como base comum o empenho em favor da superação do sofrimento humano e de afirmação da dignidade da criação. Tenho defendido a ideia de que o verdadeiro diálogo interreligioso pressupõe o reconhecimento da “dignidade da diferença” e a abertura para um pluralismo de princípio. Não se pode entrar no diálogo com uma convicção enrijecida, como se só um dos interlocutores fosse animado pela presença substantivo do Mistério Maior. Há que respeitar a dignidade de convicção dos interlocutores, de forma a favorecer um real intercâmbio de dons. Não serve de ajuda alguma ao diálogo estabelecer diferenças qualitativas entre os interlocutores, como se os outros fossem portadores de “crenças” e só os cristãos depositários da autêntica “fé”. Daí se falar hoje em dia do desafio de um “diálogo entre fés”, visto como mais apropriado para o diálogo entre alteridades dignamente reconhecidas.
 
5) O crescimento dos grupos pentecostais constitui ameaça ou oportunidade para o diálogo ecumênico? Por quê?
 
O verdadeiro ecumenismo não pode ser excludente, deve envolver igualmente os grupos pentecostais. Estudiosos do movimento evangélico, como Waldo Cesar e Richard Shaull, que se dedicaram ao final da vida ao significado da experiência pentecostal, pontuaram a força de penetração do pentecostalismo nos meios populares. Trata-se para os fiéis de uma experiência espiritual muito importante, de recomposição da subjetividade; uma oportunidade fascinante de reconstrução e potenciamento de identidades dilaceradas pela pobreza e exclusão. Com o movimento pentecostal, novas relações humanas foram tecidas, laços de confiança estabelecidos e uma importante geração de auto-estima firmada, o que é essencial para qualquer empreendimento transformador. Richardo Shaul fala em “reconstrução da vida no poder do espírito”. Acentua em seu livro que “os pentecostais estão criando novas relações humanas em comunidade no mais baixo nível da sociedade”, podendo exercer um papel importante nas mudanças que se fazem necessárias (Cesar; Shaull, 1999, p. 266-267). 
 
6) Como você encara o papel do CONIC no contexto religioso brasileiro?
 
Vejo o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) como um importante instrumento de discussão e ampliação da temática ecumênica no âmbito das Igrejas cristãs, com o desafio de provocar cada vez mais essas comunidades  a ampliarem seus horizontes dialogais, no profundo respeito à dignidade dos outros. Essa “associação fraterna de Igrejas” que se unem no seguimento de Jesus tem por vocação essencial o projeto de firmar a dinâmica de uma unidade que respeite a diversidade. Trata-se também do desafio de deixar-se habitar por um “ecumenismo espiritual”, pontuado pela humildade e abertura, pela kênose e compaixão. Isso significa um movimento de despojamento para deixar que ação do Espírito atue, desvendando os caminhos essenciais a serem seguidos. E, sobretudo, um caminho de solidariedade aos outros, de abertura hospitaleira, de atenção e cuidado aos caminhos inusitados e supreendentes da ação misteriosa de Deus na história. É mediante um tal despojamento que se instaura o clima necessário para uma ação de transformação nas Igrejas e na sociedade.
 
Referências:
BERGER, Peter. O dossel sagrado. São Paulo: Paulinas, 1985.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A emergência do indivíduo e as novas formas de viver a religião. IHU-Online, n. 401, Ano XII, 3/09/2012, p. 54-58.
CESAR, Waldo & SHAULL, Richard. Pentecostalismo e future das igrejas cristãs. Petrópolis/São Leoldo: Vozes/Sinodal, 1999.
FOLLMANN, José Ivo. Trânsito religioso e o “permanente peregrinar”. IHU- Notícias,14/09/2012:
GEFFRÉ, Claude. De babel à pentecôte. Essais de théologie interreligieuse. Paris: Cerf, 2006.
HAIGHT, Roger. “A Igreja institucional permanece escandalosamente inalterada”. IHU-Online, n. 403, Ano XII, 24/09/2012, p. 18-21.
JOÃO PAULO II. Ut Unun Sint. Carta encíclica sobre o empenho ecumênico. São Paulo: Paulus, 1995.
KASPER, Walter. Chiesa cattolica. Essenza-realtà-missione. Brescia: Queriniana, 2012.
KASPER, Walter. L´unica Chiesa di Cristo. Il Regno-attualità, n. 4, 2001, p. 127135.
KASPER, Walter & DECKERS, Daniel. Al cuore della fede. Le tappe di una vita. Milano: San Paolo, 2009 (edição alemã original de 2008).
LENOIR, Frédéric. As metamorfoses da fé. IHU-Notícias, 22/09/2012: http://www.ihu.unisinos.br/noticias/513825-as-metamorfoses-da-fe. Acesso em 25/09/2012.
SANCHIS, Pierre. Pluralismo, transformação, emergencia do indivíduo e de suas escolhas. IHU-Online, n. 400, Ano XII, 27/08/2012, p. 5-7.
Anúncios